sexta-feira, junho 19, 2009

Luís

Apenas o vermelho do cigarro aceso na escuridão e o som do trompete a envolvê-lo. Fá-lo pensar em cinzeiros cheios em mesas cobertas de papéis, garrafas, copos. Papéis rasgados, papéis escritos, cheios de palavras em catadupa que fluiram da caneta, garrafas vazias de cerveja e copos com restos de gelo e whisky, agora água e whisky. Uma noite inteira a pôr no papel tudo o que tem, era a mão que escrevia ou a caneta sozinha, ensinada? Não interessa, já não interessa nada porque a música acaba quando esmaga o cigarro no cinzeiro. Desliga o carro e sai. Será que ela está lá?

Sem comentários:

Publicar um comentário