quinta-feira, maio 22, 2008

Encontrei o conterrâneo e tive de o trazer,

Coimbra, 1 de Fevereiro
A gente não endoudece de desespero. Há um tal poder de recuperação dentro de nós, que cada trovoada que vem encontra o corpo já esquecido da que passou. Ou então, se padecemos duma tristeza endémica, estamos vacinados contra as crises agudas da doença. A natureza organiza estas coisas bem. Já contando com as nortadas do mar largo, deu ao pinheiro uma fibra tão obstinada que ele torce-se nas dunas, nodoso e corcunda, mas não quebra nem morre.

Miguel Torga, in Diário V, Coimbra


abri-o na página 73 ao acaso e li isto,
aqui não há acasos.

Sem comentários:

Publicar um comentário