segunda-feira, outubro 16, 2006

A vida URL

Eu estreei-me nestas coisas de conhecer pessoas através deste mundo imenso que é a internet em 1998 (estou velha).
Para o mundo dos blogs entrei tarde e, pelos vistos, com pior memória, porque já nem sei se foi há um ou dois anos que comecei a debitar baboseiras próprias.
Conhecer pessoalmente alguém com quem falamos ou, agora com os blogs, alguém que lemos quase todos os dias é muito estranho. Para mim ainda mais, provavelmente, porque nunca faço uma ideia muita acertada da pessoa em termos físicos e relacionar o real com o imaginado foi-me sempre difícil.
Da mesma maneira, e isto tem ramificações por vezes desastrosas, nunca acerto na "primeira impressão" e não são raras as vezes que venho a gostar de pessoas de quem não gostei à primeira vista. Essas são as surpresas boas. As más são quando alguém demonstra ser totalmente o contrário do que eu pensei originalmente. Hoje em dia, felizmente, já acontece pouco ou com menor importância. (É da idade.)
Dentro de toda esta parafernália de sentimentos e protocolos, há várias atitudes quando se trata de estreitar relações que começaram com um computador pelo meio. A que mais me surpreende positivamente é, sem dúvida, a oferta espontânea e genuína que vem do outro lado.
A atitude de quem não joga joguinhos e que, quando quer realmente conhecer-nos, nos convida e oferece contactos e diz "Liga mesmo!". A mesma atitude que me faz ter pelo menos dois encontros marcados mentalmente para os fins-de-semana de ida "à terra". (Se bem que a minha terra é mesmo terra, mas é só uma expressão.)
É claro que cada um tem os seus gostos e personalidades, bem como os seus medos e comportamentos sociais, mas a atitude oposta, a tal dos joguinhos, aparece-me como um contraste tão gritante que faz doer. É como digo, os erros de percepção de personalidades são para mim uma certeza que, apesar de menos frequente, ainda hoje acontece de vez em quando.
Felizmente, as surpresas boas continuam a ser mais que as más e o saldo, no fim de tudo, é positivo. Continuo em jogo, portanto.

4 comentários:

  1. gosto tanto deste blogue e dou comigo a não te conseguir imaginar.
    não acho que tenhamos de conhecer todas as pessoas que gostamos de ler.

    ResponderEliminar
  2. Para mim, que relativamente aos blogues, ainda agora iniciei as minhas andanças, parece-me muito longínqua a hipótese de vir a conhecer pessoalmente alguém que tenha tão só lido.
    De qualquer forma, já aprecio bastante a hipótese de poder partilhar ideias e as coisas de que gosto com pessoas que, estando tão longe (por na realidade, não fazerem parte do meu quotidiano), se encontrarem afinal e tão só à distância de um click.

    Foste a primeira desconhecida a comentar o meu blogue.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  3. Ana Rute, obrigada! :)
    Também não acho que as pessoas tenham de se conhecer, acho é que há muitas pessoas com quem nos identificamos e com as quais gostaríamos de ter mais contacto. Confesso que fujo daqueles mega-encontros em que toda a gente se quer conhecer porque sim.

    Elsa, obrigada pela visita.
    Um beijinho!

    ResponderEliminar
  4. Isto de passar para lá da escrita é estranho, sim.
    Encontro real, físico, só tive um, breve, gostei muito. Acho que é natural quando a amizade se vai desenvolvendo. É certo que é através de palavras escritas, mas a amizade desenvolve-se quase sempre com palavras, não é?
    No entanto, também não iria a mega-encontros. Concordo que é preciso afinidades e cumplicidades que, como no mundo "real" não se encontram em qualquer um. :)

    ResponderEliminar